segunda-feira, 12 de maio de 2008

O resgate XII

Quando abriu os olhos Binlamano viu os dois amigos o saudando e a sua espada toda suja de sangue, sem saber o que tinha acontecido ele perguntou, foi quando Helsing respondeu:

_ Depois que o lobisomem me acertou ele pulou em cima de você e caiu de cheio na ponta da sua espada, ele sobreviveu e tentou te matar, quando estava desacordado, aí eu que estava consciente juntei forças para me levantar, peguei o arco e dei-lhe uma flechada certeira no ombro, vendo que não poderia lutar ele recuou, assim estamos a salvo dele por enquanto, mas eu sugiro que mudemos a nossa rota para a montanha, pois estamos sendo perseguidos.

Fenol já havia concordado com Helsing enquanto Binlamano estava desacordado, ele também concordou em mudar a rota da viagem, a ilha era realmente muito perigosa, já começava a pensar como Helsing em relação às chances de se darem bem no resgate, Fenol parecia mais esperançoso, mas não estava muito confiante da vitória, todos pensavam que se tratava de um suicídio e não de uma missão.

Seguiram caminhada floresta adentro, mas com outro rumo, andaram três dias até chegar ao pé da montanha no centro da ilha, foi quando Helsing disse:

_ Teremos que subir. Já chegamos até aqui e não desistiremos agora, não agora.

Todos concordaram em subir a montanha, estavam convencidos de que a missão estava perdida, mas que não seria um fracasso total se eles impedissem o ritual maligno para matar a princesa, foi quando Helsing, durante a subida, disse:

_ Acabo de pensar uma coisa, ainda temos chance de não fracassar, caso não consigamos fugir da ilha – parou para respirar, não acreditava que havia cogitado esta hipótese – mataremos a princesa, assim o ritual não seria cumprido e Derreon estaria a salvo.

Fenol e Binlamano ficaram chocados, porém concordaram com Helsing, sabiam que também era contra a vontade do companheiro e que ele faria o possível para manter a princesa viva, mas em último caso, a solução era essa.

Subiram a montanha em cerca de 3 ou 4 dias, e ao chegarem no topo se surpreenderam.

_ Nada – disse Fenol – aqui não tem nada.
_ Nem uma cabaninha – completou Binlamano – nada.
_ Tem alguma coisa errada gente, era pra ter alguma coisa aqui – surpreendeu-se Helsing – não é possível que não tenha.

Todos ficaram com uma incrível cara de bunda e começaram a procurar qualquer coisa lá em cima, ficaram o dia inteiro fazendo isso, sem parar, até que chegaram a seguinte conclusão:

“Não tem nada aqui, vamos descer!”.

3 comentários:

Ciro M. Costa disse...

"Todos ficaram com uma incrível cara de bunda". Aí você 'quebrou' uma parte da 'magia' da história, Pietrão.

Aguardando as 18 partes restantes.

Abraço!

Pietro disse...

uhauhauhauhauha

pior

que esse foi um trecho da história completamente inutil!!!

Carlos Filho disse...

Hahahahahahaha... Tá massa!