terça-feira, 20 de maio de 2008

Amor que não vivi.

Foi em uma noite de verão que a conheci,
Conversei com ela, e ela sorriu.
Foi o sorriso mais belo que já vi,
Entristeço-me ao pensar no que se seguiu.

Me apaixonei de corpo e alma
Mas não conseguia me expressar
As lágrimas encheram da minha mão a palma,
Pois desatei-me a chorar.

Chorei, pois não era valente
Não disse o que meu coração sentia,
O mundo ficou descontente,
Conforme a vida se seguia.

Um dia me enchi de valentia,
Fui abrir meu coração,
Perdi toda a minha alegria,
Ela namorava um tal de João.

E eu que estava sempre imaginando,
Algo heróico para lhe impressionar,
Fiquei apenas pensando,
Em como o João eu machucar.

Mas o tempo passa
Pensei que te esqueceria,
Isto ficou somente na ameaça,Pois te eternizei nesta poesia.

Bom, isso foi só para tirar um pouquinho do resgate, mas logo tem mais.

2 comentários:

Ciro M. Costa disse...

Xonadim, bem???

Sessyllya disse...

Pega um violão aí e aproveita a poesia pra fazer uma música sertanejosa... Vai ser o maior estouro musical brasileiro de todos os tempos!