sexta-feira, 13 de julho de 2007

Tem uma pedra no meu sapato - Parte IV


Atenção, essa é a parte final, onde eu me fodo. E eu queria agradecer aos quatro corajosos leitores que acompanham essa saga.


Então nós descemos, minha alegria de quitar as minhas dívidas diminuíam a cada passo que eu dava, não tinha como negar, eu estava irremediavelmente arrependido. Chegamos a um local que eu logo reconheci, era a joalheria onde eu tinha procurado trabalho no dia anterior. Entramos e a Carol pediu para falar com o chefe, o seu Aristides.

_ Olá – disse Aristides.

_ Olá - dissemos, eu e Carol

_ O que trás vocês até aqui? – perguntou Aristides.

_ O ônibus. –respondi.

_ Nós viemos trazer algo para o senhor. – disse Carol depois de me lançar um olhar de fuzilamento.

_ Do que se trata? – perguntou Aristides.

Carol lhe mostrou o diamante, juro que quase chorei, e Aristides falou:

_ Então foi você quem me roubou não é rapaz?

_ Não senhor, eu nunca faria isso.

_ Então como isso veio parar com você?

_ Também não sei, só sei que estava no meu sapato desde ontem de manhã.

_ Não estou acreditando em você, rapaz.

_ Se eu tivesse realmente roubado o diamante, eu não o traria até aqui de volta.

_ Tem razão, mas como o diamante foi parar no seu sapato?

_ Tenho uma teoria: “Alguém que estava interessado no diamante, resolveu colocar no meu bolso para mim pagar o pato, caso isso fosse descoberto”, e acho que já sei quem é, - olhei para a funcionária do ônibus – que feio, usando o seu próprio filho para roubar a joalheria.

A mulher olhou ao redor, ficou pasma. Carol olhou para mim e disse:

_ Pietro, sem conclusões precipitadas. Você é tonto? Também tenho uma teoria.

Aristides olhou para a funcionária que começava a ficar desesperada, para Carol que parecia saber de tudo e para mim que estava envergonhado com essa bronca. Aristides disse:

_ Prossiga.

E Carol falou:

_ Ontem eu não a vi na loja e eu não desgrudei do Pietro, ou seja, seria impossível que ela tivesse colocado alguma coisa no bolso dele. O Pietro trombou com aquela estante quando chegou por aqui ontem, e é provável que seja este o local onde ficava a gema do diamante.

_ Mas como isso veio parar no meu sapato? – perguntei.

_ Pietro, você sabe como a sua casa é bagunçada, e o quanto você é relaxado, você pode ter jogado a sua roupa em cima do sapato e a gema caiu de algum bolso para dentro do sapato.

Nessa hora eu pensei, e vi que o que a Carol dizia tinha lógica, então achei melhor não contrariar e concordar. Seu Aristides olhou para mim e falou:

_ Ei, garoto, que tal você informatizar a nossa joalheria e depois trabalhar aqui? Precisamos de gente honesta como você nesse cargo, e você garota, gostaria de ser nossa nova gerente?

Aceitamos na hora, tá certo que eu não fiquei milionário, que eu arrebentei o meu dedão, e que eu não consegui um emprego na melhor firma que fiz a entrevista, porém eu consegui um emprego, estou quitando as minhas dívidas, limpando o meu nome na praça e o melhor de tudo, Carol e eu começamos a namorar uns 2 meses depois. Essa história aconteceu comigo já faz um ano, e o melhor de tudo é que eu começo a receber propostas de novas empresas. Ah, e antes que eu me esqueça: “ A honestidade é tudo, mesmo que você só se foda sendo honesto.”. Até mais galera

6 comentários:

Ciro M. Costa disse...

Certo, certo.
Bom, Pietrão, confesso que eu esperava bem mais do final (pelo andamento do texto), mas ficou legal sim, principalmente pela lição dada no final. E durante o texto, percebi umas sacadas bem criativas.
Aliás, vc nos enganou no começo, pois disse que era a parte final, onde vc se fodia. Mas até arrumou um emprego, cara! E vai trabalhar ao lado da Carol, hã? Hã? Hehehehhehe!!
Abraaaaaaço!!!!

Cissa Teixeira Oliveira disse...

Ow, são 5 leitores, viu?! Li tudo de uma vez, mas li! rsrsrs

Bom, a colheita é feita recolhendo-se o que foi plantado. Que bom que você deixou isso claro no texto... Ser honesto é mesmo virtude rara, e se foder é algo muito relativo (em vários sentidos)... rsrsrs

Parabéns pela saga! Bjos!

Carlos Filho disse...

Uia, teve até lição de moral no final! hehehehehhe
Achei que iria se foder mesmo, como escrito no começo..hhehehe
vlw Pietrão!

Flavio Carvalho disse...

Há hein?

Pelo menos o mocinho ficou com a mocinha no final,

muito boa a saga meu caro!

parabéns!

Bruno Carvalho disse...

Hummmmmm... você me deu uma idéia para conseguir emprego...
Boa Pietrão, mas eu gostei mais das sacadas criativas! Valeu pelo texto!

Grande abraço!

argh, lemòn disse...

Rapaz, ficou bom isso aqui, dava um roteiro de curta decente. Agora é só roteirizar, pegar uns 2 milhões da petrobrás e depois comer a Paris Hilton.