sábado, 16 de maio de 2009

A fantástica loja onde reina a imbecilidade



Bom dia, boa tarde ou boa noite meus caros leitores.

À vocês que tanto apreciam(ou fingem que apreciam) o meu jeito de escrever já vou logo avisando que esta história não se trata de uma ficção como tantas outras que já foram postadas anteriormente, mas sim de uma grande sacanagem que eu sofri.

A minha história começa no dia 03/05/2009, onde eu recebo um telefonema pela manhã me convidando para uma entrevista em uma famosa loja têxtil.
Um dia após a minha bem-sucedida entrevista recebi um telefonema me convidando a fazer um exame médico na cidade de Americana-SP e levantar uma documentação.
Após provar que além de bonito e inteligente também sou saudável levei a papelada para a famosa loja têxtil e me disseram para estar lá às 8:15h do dia seguinte.

1º dia - Conversei com a gerente geral da loja e com a supervisora dos vendedores e recebo instruções de como me portar e agir na loja, me disseram para ouvir as vendedoras. Começo apenas observando o trabalho das mesmas como me foi dito para fazer e viro aluno delas.

2º dia - As vendedoras começam a me deixar fazer pequenas vendas, como eu ainda não tinha o meu código pessoal, passava as vendas no delas. Pergunto à gerente quando eu teria o meu próprio código, ela respondeu "Ainda vai demorar!", o que me deixou com uma pulga atrás da orelha.

3º dia - Dou assistência a uma das vendedoras que vivia praticamente me obrigando a fazer o trabalho dela, repondo as coisas em seu setor. Faço boas vendas nesse dia.

4º dia - Vendo tanto quanto qualquer outra vendedora, percebi que meio minuto após a supervisora falar com uma das vendedoras ela veio até mim e me deu uma bronca dizendo que eu não levava jeito para vendas. Véspera de dia das mães/aniversário da minha irmã, e ainda dei assistência de estoque para outras vendedoras.

5º dia - Fico o período da manhã inteiro arrumando o me setor do 4º dia. Volto do meu horário de almoço e vejo que uma cliente que eu atendi no quarto dia estava me esperando porquê gostaria de fazer uma compra apenas COMIGO, ao atender a mulher reparei o ódio no olhar de duas das três vendedoras que ficavam no andar superior da loja comigo.

6º dia - Vendi mais do que as três vendedoras do meu andar JUNTAS e levei outra bronca gratuita da supervisora de vendas, começo a me revoltar com ela. No final do expediente a gerente da loja me chama na sala dela, pressenti o pior. A maldita da gerente me demite alegando que eu não tinha o perfil da loja e a agilidade necessária para ser um vendedor da FATEX.

Recebo uma (mixaria de uma )quantia equivalente a R$107,00 pelos meus seis dias trabalhados e solto a língua na maldita da gerente dedando todas as informações erradas que me foram passadas por uma das vendedoras, disse a quantidade de trabalho que eu fiz para a mesma e ressaltei a falta de educação de outra vendedora.

A gerente olhou para mim com uma forjadíssima cara de espanto e disse: "Eu não sabia disso porquê não sou de fofoca!" e eu com toda a minha gente lesa respodi: "Eu também não sou, por isso que você não sabia." e completei dizendo: "Se você não fosse de fofoca MESMO eu ainda estaria empregado." Assinei um papel alegando que recebi uma quantia pelos dias trabalhados e só para me mostrar superior àquela porcaria de loja encontrei um grotesco "recibi" no papel e disse: "Tenta aprender a falar o português correto antes de pensar em demitir alguém que saiba." e fui embora.

Agora deixo aqui toda a minha indignação com a maldita loja têxtil, visando compartilhar com todos vocês a minha indignação.

Criei um plano de vingança contra uma das vendedoras, semana que vem eu conto como foi.

5 comentários:

Ciro M. Costa disse...

Pietrão, esses seus textos contados a partir de fatos reais são os melhores, cara! Já estava sentindo falta deles! Belo retorno ao blog!

Sacanagem aí dessa vendedoras e da gerente. Acho que todos já passamos por algo parecido. Mas vingança não leva a nada, cara! Continue superior!

Apreciei (e não é fingimento!)
Grande abraço!

Isabella Carvalho disse...

ô cuitado.

o Pietro é daqueles que deveriam começar seus textos com 'Querido diário...' HAHUAHUA

Carlos Filho disse...

São mesmo... Vc é mestre nestas situações. Deveria conta-los mais vezes... hehehe

O melhor!

Cecilia Teixeira Oliveira disse...

Como texto, excelente, aprecio de verdade esses seus relatos bizarros!!!

Como fato real, vc tem q se benzer, cara... Rsrs!!!

Bruno Carvalho disse...

Concordo com os de cima como uma ovelhinha prostituta. muito bom cara!! Um de seus melhores, que pena que seja verdade! Todos os seres humanos são carentes e invejosos, faltou você ser falso o suficeiente para segurar o emprego. graças a Deus você não é assim, e está livre novamente!
Filhão, se seu plano de vingança for comprar uma roupa, gozar nela e devolver, pode esquecer! Mexe com isso não, pois não vale a pena!

Abraço!