quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Pesos, medidas e consequência...

Um sorriso,
Apenas isso embargava suas palavras diante de tal gesto. Era ele um imbecil, ou apenas ainda não conhecia as estratégias do amor. Tudo era novo em sua vida e ela era tudo que ele queria, mas com medo do que desconhecia!
Um olhar,
Já bastava para se embaraçar e distrair no inimaginável mundo que criara para si tentando fugir do medo que sentia. Um dia ouviu sua voz. Aquele som aveludado era tudo que ele sonhara quando se questionava: “Como será sua voz?” Era exatamente o que imaginava, era muito mais.
Já não bastasse os sonhos, todo instante chegava em sua cabeça turbilhões de imagens, momentos que poderia viver com ela. Mas nunca chegara `a hora da coragem.
Um mundo, abismo profundo,
Quando a viu com outro bem diferente dele mesmo quando o imaginava naquela situação com ela. A morte era certa, até quando a voz aveludada disse:

- Pesa pra mim?

E ele, frente a frente com ela e a balança que conduzia e ditava seu serviço, lhe fez a resposta:

- Está quebrada!
Não só a balança, mas agora seu coração partiu em mil com a velocidade nunca alcançada daquele ponteiro!
E agora, assim como aquele ponteiro ele anda pendendo de um lado ao outro sem encontrar quem sabe, sua medida ideal, pois assim como um peso morto, ela se foi e deixou sua marca!

2 comentários:

Ciro M. Costa disse...

O loko, meu! Inspirado pra caramba, hein filhão? Aposto que essa idéia surgiu dentro do Wal Mart, hein? Hahahahhaha!!
Ótimo texto, gordito! Gostei bastante. Criativo também.

Abraço!

Cecilia Teixeira Oliveira disse...

Que triste, Carlim... O texto é ótimo, mas bateu uma melancoliazinha aqui... rsrsrs...