segunda-feira, 11 de junho de 2007

Assim eu quis dizer

Novamente três horas apontam os ponteiros do meu relógio. Novamente me lembro do dia que não aconteceu, me calei.
Sinto-me mudo, silenciado pelo som do coração, assim como me emudeci com você.
De repente o telefone me cala, de repente a porta me silencia, de repente haveria momento melhor.
Hoje seria diferente, hoje eu diria, sem pensar, sem ouvir minha mente ou razão, proferia sim, sem medo!
A conseqüência seria bem melhor do que segurar a alça da morte e lembra que eu queria dizer mas não disse, carregar seu corpo frio e sem vida, lembrar das vezes que seu abraço me esquentou, tua boca me beijou.
Agora não mais, agora me contento com a lembrança vazia que me empurra p’ra esse abismo e me faz sentir que não estás mais perto de mim, agora me resta a dor de um dia em que senti teu corpo sobre o meu no momento que minha alma te amou. Agora eu sofro!
Vejo você assim, sempre surda por não ouvir o que eu queria e quero falar, dizer o que senti, mas é tarde demais, repousa em seu tumulo a palavra proferida sem resposta, e agora a digo: Eu te amo!
Se pudesse voltar, jamais deixaria te falar, EU TE AMO!

4 comentários:

Marize Gaspezzo disse...

Ao mesmo tempo que essa palavra se torna magica ela pode desfazer qualquer encanto. Uma pena!!!


Belo texto.
Visite www.amorintenso.com.br



Bjos Rapaz!

Ciro M. Costa disse...

Xonadim, bem?

Flavio Carvalho disse...

Profundo hein fera?

muito bem elaborado,

e como disse o Ciro,

xonadim, bem?

hahahahahahahahah

Bruno Carvalho disse...

O loco meu! Excelente texto!
Bem escrito tb!
Parabéns!