sexta-feira, 30 de março de 2007

Esta canção não é mais que mais uma canção
Quem dera fosse uma declaração de amor
Escrevo-te estas mal traçadas linhas meu amor
Porque veio à saudade visitar meu coração
Eu só quero que você saiba
Que estou pensando em você
O mel no lábio que resseca a boca
O mel na boca que te deixa louca
Mais, mais que a vida em minha mão
Mais que jura de cristão
Se você quer saber como eu me sinto
Vá a um laboratório ou um labirinto
veja, olha outra vez,o rosto na multidão,a multidão é um monstro,sem rosto e coração
Eu conheço bem a fonte
Que desce aquele monte
Ainda que seja de noite
Nessa fonte está escondida
O planeta onde vegeta
Eu sou a areia da ampulheta
Eu sou a areia...

5 comentários:

Ciro M. Costa disse...

O loko, hein? O cara tá apaixonado meeeeesmo! Heheheheh!!
E viva Raulzito!!!

Bruno Carvalho disse...

Boaaaaaa!
ficou boa a formatação da letra!
O loco meu!!
Ahahahhah!

Flavio Carvalho disse...

Puts meu!

Sem dúvida,
é o melhor poema do munnnndo!!

Cissa Teixeira Oliveira disse...

Olha, vou te falar um negócio: se você fosse aluno da Aya (uma antiga profesora que os alunos de Letras da Uniube tiveram e que outra professora expulsou de lá por motivos pessoais que não nos interessam), você certamente seria o melhor na matéria de apropriação...

Aliás, você poderia contribuir para as aulas sobre apropriação, porque "Monte Castelo", do Renato Russo, é o único exemplo que as professoras possuem para nos dar... Tá na hora de elas darem uma variada... Ahahahahahahah!!!

Super bjo!!!

Anônimo disse...

Manda o link pra elas...hahahahahhahahaha